Psicofarmacologia para Psicólogos

Novo 
0
Acreditada pela ORDEM DOS PSICÓLOGOS
Destinatários 

Psicólogos
Estudantes do 2ª ciclo do mestrado integrado de Psicologia e de 2º ciclos de Psicologia (desde que habilitados com 1º Ciclo de Ciências Psicológicas ou Psicologia) 

Objectivos 

Proporcionar uma visão geral da psicofarmacologia científica actual e dos diferentes frupos de psicofármacos e da sua utilidade clínica nos adultos

Conhecer implicações dos efeitos dos psicofármacos na avaliação e intervnção psicológicas

Reflectir sobre as práticas sociais de uso e abuso de psicofármacos e sobre a sua relação com a intervenção do psicólogo

Competências 

Identificar as indicações do uso dos principais grupos de psicofármacos
Caracterizar impactos dos diferentes psicofármacos na avaliação psicológica
Avaliar fatores envolvidos no comportamento de automedicação e baixa adesão medicamentosa
Compreender comportamentos de pacientes medicados em função das suas representações de senso comum dos psicofármacos, psicopatologia, relação médico-paciente e influências familiares e sociais
Identificar processos de disease mongering que contribuem para o consumo excessivo e desnecessário de psicofármacos

 

 

Programa 

Introdução -História da Psicofarmacologia . Definição de psicofármaco, conceitos gerais e classificação dos psicofármacos. Grupos terapêuticos

 

Psicofármacos e clínica infantil -Objetivos do uso de psicofármacos na infância e adolescência. Especificidades do uso de psicofármacos em crianças e adolescentes. Psicofármacos em pedopsiquiatria. Situações clínicas na infância e adolescência em que se usam psicofármacos

 

Psicofármacos e provas de avaliação psicológica -Impactos dos psicofármacos na avaliação psicológica ao nível da entrevista clínica e observação, das provas projectivas e das funções cognitivas (tempo de inspecção e de resposta, qualidade das respostas, atenção e coordenação motora). Efeitos dos psicofármacos com influência potencial nas provas de avaliação psicológica. Implicações específicas dos psicofármaco sem diferentes provas de avaliação psicológica (Figura Complexa de Rey, Teste de Benton, Toulouse-Piéron, Escala de Memória de Weschsler, WAIS)

 

Comportamentos de automedicação e problemas de adesão medicamentosa - Automedicação – Conceito. Riscos e determinantes da automedicação com psicofármacos. Riscos da automedicação com psicofármacos. Intervenção; Problemas de adesão medicamentosa – Conceito. Consequências e determinantes da baixa adesão terapêutica. Factores inibitórios e facilitadores da adesão aos psicofármacos. Papel do psicólogo na intervenção com os utentes e/ou com os prescritores

 

Representações, atitudes e comportamentos em relação aos psicofármacos - Campo de representações dos psicofármacos. Valor simbólico e valor social dos psicofármacos; Valor social dos psicofármacos. Representações de senso comum do psicofármacos e sua influência nas atitudes e comportamentos de pacientes e técnicos

 

Relação do sujeito com experiência de perturbação mental com os psicofármacos -Determinantes das atitudes e comportamentos dos sujeitos com experiência com perturbação mental em relação aos psicofármacos. Casos específicos dos sujeitos ansiosos, fóbicos, obsessivos, histriónicos, esquizofrénicos, bipolares e hipocondríacos

 

Práticas profissionais, influência da indústria farmacêutica no uso e abuso dos psicofármacos - Consumo excessivo de psicofármacos em Portugal. Determinantes da banalização dos psicofármacos; Disease mongering e psicofármacos - Conceito e processos de disease mongering associados aos psicofármacos. Estratégias de intervenção contra o disease mongering; Guidelines da Associação Psicológica Americana em relação aos psicofármacos - Análise da sua aplicabilidade em Portugal na avaliação psicológica, intervenção psicológica e formação contínua

Metodologias 

Exposição teórico-prática, trabalhos em grupo, brainstorming, análise de casos

Duração 

27 horas

Formadores

José A. Carvalho Teixeira
Psiquiatra, ISPA
Neide Urbano
Pedopsiquiatra, Departamento de Pedopsiquiatria e Saúde Mental do Hospital de D. Estefânia
Ana Lourenço Barata
Pedopsiquiatra, Departamento de Pedopsiquiatria e Saúde Mental do Hospital de D. Estefânia
Nélia Rebelo da Silva
Psicóloga, Coordenadora da Unidade de Psicologia do Centro Hospitalar de Lisboa Central - CHLC, EPE
Isabel Trindade
Psicóloga clínica, pós-graduada em psicoterapias e psicologia da saúde. Ex-Coordenadora do Núcleo de Psicologia e da URAP do ACES Loures-Odivelas

Calendarização
Segunda, Novembro 6, 2017 - 17:30 - 20:30
Segunda, Novembro 13, 2017 - 17:30 - 20:30
Segunda, Novembro 20, 2017 - 17:30 - 20:30
Segunda, Novembro 27, 2017 - 17:30 - 20:30
Segunda, Dezembro 4, 2017 - 17:30 - 20:30
Segunda, Dezembro 11, 2017 - 17:30 - 20:30
Segunda, Dezembro 18, 2017 - 17:30 - 20:30
Segunda, Janeiro 8, 2018 - 17:30 - 20:30
Segunda, Janeiro 15, 2018 - 17:30 - 20:30
Certificado 

Os formandos terão acesso a um certificado de formação em Psicofarmacologia para Psicólogos desde que frequentem, pelo menos, 8 sessões de formação (90%), uma vez que a formação é presencial.

 

CREDITAÇÃO PELA ORDEM DOS PSICÓLOGOS

A obtenção dos créditos atribuidos pela Ordem dos Psicólogos (13,5 créditos na área de Psicologia Clínica e da Saúde) é exclusiva para formandos Psicólogos e supõe a realização com Aproveitamento da avaliação da aprendizagem

 

  • Avaliação inicial da aprendizagem realizada através de questionário de diagnóstico de conhecimentos e competências
  • Avaliação contínua da aprendizagem realizada através de exercícios práticos em grupo
  • Avaliação final da aprendizagem realizada através de um Questionário, com questões de escolha múltipla. O resultado obtido nesta avaliação assume a forma de “Com aproveitamento/Sem aproveitamento” e respectiva atribuição de nota numa escala qualitativa, na escala de Insuficiente a Muito Bom ou quantitativa, de 0 a 20

Inscrições 

NÚMERO MÁXIMO DE FORMANDOS: 20
 

Totalidade  Fraccionado
150€ 55€ x 3 mens.


 

Local 

Lisboa

Diversos 

No acto de inscrição é necessário comprovar habilitações.

 

Em caso de desistência, só haverá lugar a reembolso quando for comunicada até 30 de Outubro de 2017 (inclusive).