Adições Comportamentais Sem Substância

Novo 
0
O problema do jogo e videojogos - FORMAÇÃO A DISTÂNCIA COM INÍCIO A 13 DE JANEIRO
Descrição

A dependência dos videojogos entre crianças e jovens tem vindo a aumentar, com os inevitáveis conflitos familiares. Os confinamentos contribuíram ainda mais para esse aumento. A OMS, em 2018, incluiu o "distúrbio do jogo" na lista de doenças classificadas como perturbações do foro mental. Se é psicoterapeuta (psicólogo ou psiquiatra) e quer conhecer como lidar tecnicamente com este tipo de doença mental, junte-se ao reconhecido especialista Pedro Hubert.

Destinatários 

Psicoterapeutas, psicólogos ou psiquiatras, enfermeiros, médicos e assistentes sociais

Objectivos 
  • Identificar conceitos, perfis de jogadores, fatores de risco, tipos de jogo, perturbação de jogo a dinheiro e videojogos.
  • Compreender os instrumentos básicos para a avaliação, diagnóstico, intervenção, tratamento e prevenção de recaída nos comportamentos de jogo.
  • Conhecer outras dependências comportamentais (pornografia, compras, codependência, internet, etc.).
  • Conhecer o jogo responsável, a abordagem aos familiares, comorbilidades e instrumentos terapêuticos.
  • Analisar casos clínicos representativos de comportamentos aditivos sem substância.
Programa 

Jogo a Dinheiro e Gaming (4h)

  • Conceitos, distinção entre os tipos de jogo, características, sinais e consequências

Diagnóstico, avaliação, intervenção e tratamento no problema do jogo (8h)

  • Contrato terapêutico, estratégias de intervenção com o jogador e com a família

Outras dependências comportamentais e comorbilidades (2h)
Discussão de casos (4h)

Metodologias 

Estratégia que articula método expositivo com o interrogativo, contextualizando as temáticas de modo a mobilizar conhecimentos prévios dos participantes para o novo quadro teórico-prático. A aprendizagem dos conteúdos é acomodada através da análise e debate dos estudos de caso.

Duração 

18 horas

Formadores

Pedro Hubert - Doutoramento (UAL) com a investigação “Caracterização e comparação dos jogadores patológicos Offline e Online em Portugal” (Orientador: Mark Griffiths, Universidade de Nottingham). Formação de 3 anos em psicoterapia centrada na pessoa (Associação Portuguesa de Psicoterapia Centrada na Pessoa e Counselling). Consultas psicologia individual e de grupo na área da perturbação de jogo. Diretor do Instituto de Apoio ao Jogador (IAJ) www.iaj.pt. Coordenador da Linha Telefónica de Ajuda ao Jogador do IAJ desde 2009 e da Linha de Apoio prestado ao Departamento de Jogos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e do Placard. Formador na área do problema de jogo. Autor do livro "O Problema do jogo: tratamento da dependência invisível", Plátano Editora 2016.

Calendarização
Quinta, Janeiro 13, 2022 - 18:30 - 21:30
Sexta, Janeiro 14, 2022 - 18:30 - 21:30
Sábado, Janeiro 15, 2022 - 10:00 - 13:00
Quinta, Janeiro 20, 2022 - 18:30 - 21:30
Sexta, Janeiro 21, 2022 - 18:30 - 21:30
Sábado, Janeiro 22, 2022 - 10:00 - 13:00
Certificado 

O Certificado de Frequência será atribuído desde que a assiduidade seja igual ou superior a 90 % da carga horária total.

 

A Formação Ispa observará o previsto na lei de proteção de dados pessoais (Regulamento 2016/679 do Parlamento Europeu de 26 de abril de 2016, com execução assegurada pela Lei n.º 58/2019, de 8 de agosto).

Inscrições 

Limitadas a 20 formandos.

No ato de inscrição é necessário comprovar habilitações.

 

É aceite o cancelamento da inscrição até 10 dias antes da data de início, sendo o participante reembolsado na íntegra (100%). Cancelamentos efetuados entre 9 e 4 dias da data de início do curso, inclusive, o participante será reembolsado em 50%. Não haverá lugar a reembolso para desistências até 3 dias antes do início do curso e após confirmação do mesmo.

 

Investimento

€ 150

Local 

A distância | Online

Diversos 

Os candidatos à frequência deste curso devem reunir os seguintes requisitos:

  • Ter acesso a um computador / telemóvel / tablet com ligação à Internet e um browser (programa para navegar na web), como o Chrome, Internet Explorer, Firefox ou Safari;
  • Aplicação Zoom;
  • Ter conhecimentos de informática na ótica do utilizador.